Pesquisar este blog

domingo, 25 de setembro de 2011

Secretaria da Segurança Pública sediará Centro de Comando e Controle da Copa do Mundo

O Centro de Comando e Controle da Copa do Mundo de Futebol de 2014, em Porto Alegre, será instalado na Secretaria da Segurança Pública (SSP), na área onde fica o Centro Integrado de Operações da Segurança Pública (Ciosp). E, de acordo com o secretário Extraordinário de Segurança para Grandes Eventos, José Ricardo Botelho, contará com a mais alta tecnologia disponível no País, possibilitando a mudança do sistema analógico para o digital. Botelho participou da primeira reunião de Alinhamento de Segurança Pública e da reunião da Câmara Temática de Segurança para a Copa 2014, nesta sexta-feira (23), no auditório da Academia da Polícia Militar, na Capital. 

No Centro, atuarão os agentes de todas as instituições ligadas à segurança pública: Polícias Civil, Militar, Federal, Rodoviária Federal, de outros países, Defesa Civil, Instituto Geral de Perícias e Corpo de Bombeiros. 

O secretário da Segurança Pública, Airton Michels, destacou que a SSP atuará no enfrentamento à criminalidade e à violência, visando à redução dos índices de homicídios e à melhoria da imagem do Brasil. "Nosso País não é propenso a crimes mais drásticos e precisamos fazer um investimento de acordo com a nossa realidade e em parceria com o Governo Federal, compartilhando experiências, recursos e tecnologias. Essas últimas são instrumentos extremamente úteis no combate à violência urbana". Michels assinalou, ainda, que segurança pública significa tecnologia, capacitação e ações preventivas. 

O secretário do Esporte e do Lazer, Kalil Sehbe Neto, afirmou que todo o investimento feito na área da segurança, como na infraestrutura e mobilidade urbana, será um legado para a sociedade gaúcha, após o Mundial de Futebol. Acrescentou que o Beira Rio será o estádio de futebol oficial da Copa do Mundo e que estará pronto, inclusive, para receber jogos da Copa das Confederações, em 2013. 

A Arena do Grêmio será o campo oficial de treinamento. De acordo com ele, 11 cidades do interior do Estado já foram vistoriadas pelo Comitê da Copa e outras sete passarão por vistorias. 

Também participaram da reunião o secretário adjunto da SSP, Juarez Pinheiro, o prefeito de Porto Alegre, José Fortunati, e os representantes do Ministério do Esporte, Alcino Reis, e do Comitê Organizador da Copa do Mundo Fifa, Ricardo Trade, entre outras autoridades.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Lançado o projeto de Policiamento Comunitário na Região

video



Inicialmente baseado na Praça México, todo o projeto irá ser discutido e encaminhado pelo Fórum de Segurança da Região.

A importante opinião de quem já vivenciou a desvinculação

 De passagem pelo Rio Grande do Sul, em direção ao Uruguai, Lazaro Santin, 42 anos, sendo 24 deles dedicados ao Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina, é Major da 1ª Companhia do 7º Batalhão de Itajaí, onde exerce a função de comandante, e em visita as cidades de Chuí e Santa Vitoria do Palmar o blog aproveita a oportunidade de saber a opinião do oficial sobre desvinculação dos bombeiros que já foi adotado pelo estado vizinho e serve de modelo para todo país.
Segue entrevista:

ABomPel: quais as principais dificuldades sentidas logo após a desvinculação?

Major Santin: a primeira dificuldade enfrentada foi a estruturação logística, foi necessário um profundo esforço concentrado de oficiais e praças para estruturação de todos os serviços que a corporação necessita (contamos com a ajuda da PMSC que nos ensinou e ajudou nesse processo durante 3 anos).

ABomPel: Quais os maiores benefícios para a população a curto e médio prazo? Major Santin: inicialmente como o corpo de bombeiros passou a gerir seus próprios recursos, pode decidir o destino do investimento, assim como a abertura de novos quartéis para atendimento a população, tendo como seu aliado o tramite burocrático mais ágil.

ABomPel: Houve algum tipo de enfraquecimento da tropa policial militar do estado após a desvinculação? Major Santin: não, pois as ligações entre policiamento e bombeiros, continuarão existindo, com a troca mutua de conhecimento.

ABomPel: Como funciona o Plano de carreira do estado?

Major Santin: o plano de carreira funciona na inclusão de soldado, sendo a promoção por tempo de serviço, não existindo mais concursos para sargento, sendo requisito para a inclusão o curso superior. Sendo que o praça pode atingir a carreira de oficial a qualquer momento independente de idade bastando prestar concurso.

ABomPel: que mensagem o senhor deixaria aos bombeiros do RS?

Major Santin: a emancipação é excelente, mas por si só não resolve nada é necessário que os bombeiros estejam dispostas a trabalhar muito, com doação plena a corporação de todo efetivo, para gerenciar essa mudança, com novas possibilidades e novos horizontes s ao corpo de bombeiros.

Major Santin, começou sua vida trabalhando no grupamento de busca e resgate, formado em engenharia civil, trabalhou na área de prevenção, trabalhou na área de logística, sendo responsável pela construção de novos quartéis, dentre eles a nova academia de formação de bombeiros. Trabalhou também na área de tecnologia da informação, sendo responsável pela criação do sistema de gerenciamento de atividade técnica e o E193.


"A emancipação é excelente, mas por si só não resolve nada é necessário que os bombeiros estejam dispostas a trabalhar muito, com doação plena a corporação de todo efetivo..."


Do site da ABERGS

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Reunião Fórum de Segurança Eixo Baltazar

Of. Circ. 009/11 – FRJS-EB                           Porto Alegre, 06 de setembro de 2011.



REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA


Senhor (a) Conselheiro (a):

Ao cumprimentá-lo (a) cordialmente informamos que estamos dando continuidade às reuniões do Fórum Regional de Justiça e Segurança da Região Eixo-Baltazar. Convidamos V. Srª a participar do encontro extra, que por motivos relevantes, foi proposto para o mês de setembro conforme segue:


Data: 06/09/2011
Horário: Primeira chamada: 19h15min
                     Segunda chamada: 19h30min

Local: Vida Centro Humanístico - Avenida Baltazar de Oliveira Garcia, 2132.

Pauta:
·        Informes;
·        Atendimento do SAMU na região (presença da Coordenação do SAMU);
·        Unidades de Policiamento Comunitário;
·        Encaminhamentos.



Encerramento: 21 horas

É de extrema importância à participação de todos para que possamos desenvolver e construir propostas e projetos que realmente previnam a violência e promovam a justiça aos cidadãos de Porto Alegre.


Cordialmente,



Rodney Ribeiro Torres Junior
Conselheiro Municipal de Justiça e
Segurança Região Eixo-Baltazar

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Brigadianos, pneus e a suposta crise na segurança pública

*Rodney Ribeiro Torres Junior

A onda de manifestações espalhadas pelo Rio Grande do Sul, mais precisamente nas estradas gaúchas e agora chegando à capital, revelam dois cenários. O primeiro, muito conhecido e também histórico, é a insuportável condição salarial da Brigada Militar. O segundo diz respeito à criação de um factóide sobre uma suposta crise na área da segurança pública.
Não é a primeira vez que setores conservadores da sociedade gaudéria e da mídia criam um ambiente de beligerância entre um governo popular e democrático e os trabalhadores da segurança no Estado.
Durante o governo de Olívio Dutra (1999-2002) foi criado um ambiente hostil principalmente contra o secretário de Segurança naquela época, José Paulo Bisol. Quem não lembra de Bisol dizendo que havia uma banda podre dentro das corporações? E o que foi criado por estes setores? Passaram a ideia de que o governo estava maculando as instituições, dizendo que a Brigada e da Polícia Civil eram corruptas e não apenas uma pequena parcela delas. Aliás, isso existe em todas as categorias.
Apenas para citar dois casos mais recentes, oficiais envolvidos em desvios de telhas e de colchões da Defesa Civil e soldado da BM e agente da PC passando informações a traficantes na zona norte de Porto Alegre.
As reivindicações sobre a pauta salarial sejam elas de civis ou de militares, são completamente justas e legais, as quais tem meu total apoio. Não concordo com o tipo de ações que esses supostos policiais militares estão espalhando pelos quatro cantos de nosso estado.
O que tem que se ter noção sobre essa questão é que o atual governo, desde a campanha eleitoral, acenou à categoria da segurança pública com o pagamento do piso nacional, ao longo do mandato. Esse compromisso foi assumido, para ser cumprido em quatro anos e não no primeiro. Muito menos com um orçamento que é do governo anterior, já que o orçamento do governo Tarso será a partir de 2012.
A quantidade de pneus que estão sendo queimados nas estradas e na capital deixa qualquer movimento social com inveja. Principalmente a abundância em pneus de trator. Nunca vi uma disponibilidade tão grande desse tipo de pneus para manifestação.
Onde está o serviço de inteligência da Brigada Militar, a popularmente conhecida “P2”, que ainda não identificou os responsáveis pelos atos de bloqueio de vias. A direção da ABAMF será punida, pois admitiram publicamente terem realizados os primeiros atos de protestos nas estradas? Qual a legitimidade da Brigada em reprimir futuros atos semelhantes de movimentos sociais, se não investigou e puniu os seus?
O que me parece estranho é que os mesmos que sempre discursam contra o MST, professores, bancários e demais movimentos sociais, sejam rurais ou urbanos, que se utilizam do expediente de bloquear vias, ou fazer ocupação de prédios, alegando que não se pode prejudicar terceiros com manifestos, agora de uma hora para outra, apoiam irrestritamente esses bloqueios e queimadas.
O que tem por trás destes manifestos? Quem está fornecendo os pneus, especialmente os de tratores? A qual setor interessa criar factóides e desestabilizar o governo?

*Vice-coordenador do Conselho Municipal de Justiça e Segurança de Porto Alegre