Pesquisar este blog

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Poema no ônibus

Todo ano ano é a mesma indignação.
Sobe o preço do ônibus e do lotação.
Todo ano é a mesma vergonha.
O apetite de uns, uma peçonha.
O salário de outros, uma pamonha.
Todo ano é o mesmo serpentário,
Os políticos dando de salafrário.
Sobe o salário baixo pelo mínimo,
sobe o salário alto pelo máximo.
Todo é ano é a mesma enrolação.
O ganho dos políticos bem acima da inflação,
o da plebe bem abaixo do que eles dão.
Todo ano a mídia fala grosso,
o povo fica na carne de pescoço,
e os políticos num grande alvoroço.
Depois, vem o velho e bom carnaval,
a massa deixa a roupa no varal
E cai na folia do jeito que pode.
É sempre aí que ela f...erra.
Bom cabrito é o que mais berra.
Chega a hora da nova eleição.
E cada traíra recebe a redenção.
Começa tudinho de novo.
Sobe o táxi, o ônibus e o lotação.
Pau e pau no lombo do povo.
Só se elege quem tem grana pra campanha.
Só tem grana quem serve a algum senhor.
Bom político é quem tem jeito e manha
E aí que, às vezes, bate o pavor,
E recomeça a troca de favor.

por Juremir Machado da Silva - 13/02/2011 15:46 - Atualizado em 14/02/2011 10:32

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

O preço da incoerência

Ontem assisti a cenas de incoerências na Câmara de Vereadores de Porto Alegre.

Vereadores de um lado defendendo o não e de outro lado defendendo o sim. Até aí tudo normal. Faz parte da democracia, dos legislativos.

O que me deixou perplexo, foi a bancada de meu partido, o PT, "centralizar" todos os sete vereadores, para votarem pelo não.

Sabe-se que o vereador Adeli Sell e o vereador Aldacir Oliboni, este último com atuação reconhecida na área da saúde, eram favoráveis a aprovação do IMESF. Mas pelo "centralismo democrático", foram obrigados a votar contra.

As perguntas que faço a estes cinco vereadores do PT de Porto Alegre são:

1º) Por que nas cidades em que o PT governa, tanto aqui no Estado (a maioria lideradas pela Democracia Socialista), como em outros Estados do Brasil, somos a favor?

2º) Por que aqui em Porto Alegre, em que somos oposição, não pode ser criada a fundação?

3º) Hoje foi tornado público, que a Secretaria Estadual da Saúde está estudando as Fundações espalhadas pelo Brasil, para propor a criação aqui no RS. Qual será a posição destes cinco vereadores? Manterão a coerência e "cairão de pau" no governador Tarso?

Estas incoerências de alguns integrantes do PT gaúcho é que levam a militância e simpatizantes a se afastarem do partido.

Parabéns ao vereador Adeli Sell (oxalá, futuro prefeito de Porto Alegre) e ao vereador Aldacir Oliboni, que mesmo centralizados, apresentaram declaração de voto, mostrando a coerência que estes dois parlamentares petistas tem.

Declaração de voto
Nosso voto neste plenário é um voto de bancada. Como homem de partido, presidente da instância municipal, membro da bancada, voto em bloco, como manda nosso regimento. 

As administrações petistas municipais de Aracaju, da administração da Bahia, cujo governador é do PT, bem como vários prefeitos aqui da Região Metropolitana estão organizando ou já formaram Fundações muito semelhantes o que vinha guiando minha posição conhecida de todos. 

A fundação não pode, também, se consolidar como a única resposta para vencer as dificuldades do estado em contratar, treinar e oferecer serviços de qualidade. É preciso repensar como se faz gestão de pessoas, é preciso repensar como se motiva e que ambiente de trabalho se oferece para crescer e se desenvolver como profissional. 

Nós vamos continuar lutando pela saúde pública de qualidade, pela garantia do SUS, em defesa dos servidores que servem e que trabalham, denunciando o que é errado na gestão, bem como combatendo o servidor relapso que não cumpre com suas atribuições 

Vereadores ADELI SELL e ALDACIR OLIBONI
Membros da Bancada do PT

PT de Porto Alegre Inaugura Centro de Eventos nesta terça-feira

A Executiva Municipal do PT convida todos (as) para a inauguração do Centro de Eventos, um novo espaço de lazer localizado nos fundos da sede, onde a militância poderá se reunir e confraternizar.

O local dispõe de churrasqueira, mesas e bancos, além de utensílios domésticos.

Lembramos que neste dia estaremos abrindo a urna com as sugestões de nome para a nossa biblioteca.

Compareçam. Será um agradável momento de confraternização.

O que: Inauguração do Centro de Eventos

Onde: Sede Municipal do PT (av. João Pessoa, 785)

Quando: 15 de fevereiro, terça-feira

Hora: 19 horas

Informações com Fátima Hasan pelo fone 3211 4888 ou pelo e-mail secretariaexecutivaptpoa@gmal.com

Tatiana Feldens
Jornalista PT-POA - www.ptpoa.com.br
E-mail: asscom@portoweb.com.br
Contatos: 7811 5754 / 3211 4888
Rádio: 120*40546

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

BOMBEIROS - a situação é caótica.

Vendo os recentes acontecimentos climáticos no Brasil, fico pensando se acontecer algo parecido no RS. O que será de nós?


Em nosso Guaíba passam navios transportando gás e nafta.
Os navio que passam pelo Guaíba são iguais a este


Se acontecer algo com esses navios, será que esta embarcação conseguirá apagar algum incêndio?




Ou será que esses três botes resolverão?


E em terra, será que podemos confiar nesses caminhões?




Caminhão VW "enraizado" no 1º CRB (Açorianos)
até pouco tempo circulava neste estado, mesmo sem os vidros.


Caminhão Scania "enraizado" no 1º CRB (Açorianos)
Bateu por falta de freios.


Veículo em uso, sem o para-brisa traseiro.
Segundo o CBT, não poderia trafegar.

 Viatura apodrecendo há alguns anos, parada na Escola de Bombeiros (ESBO)
Estação Silva Só

Porto Alegre possui apenas 2 escadas Magirus. Esta está parada sem manutenção há dezenas de meses.
Escondida na Escola de Bombeiros, Estação Silva Só

Parado há meses, sem manutenção.
Também na ESBO

Estação de Combate a Incêndios da Silva Só.
Fechada por causa da Operação Golfinho.
A Estação Assunção também está fechada pelo mesmo motivo.

      
O que o ônibus do Grêmio faz parado na ESBO?
Virou estacionamento particular?
O comandante é gremista? (Eu sou)
O Estado recebe alguma coisa para ceder o espaço?

Único caminhão de combate à incêndio da Estação Açorianos.
Não tem prefixo, o que quer dizer que não está registrado e nem pode ser abastecido
nos convênios que o Gov. Estadual tem com postos de combustíveis.
Também, em caso de acidente, como não consta nos registros de patrimônio do Estado como se dará uma possível indenização à vitima?
Quem realmente sustenta os Bombeiros é o Fundo Municipal de Reaparelhamento do Corpo de Bombeiros (FUMREBOM). Verba esta que é arrecadada pelas Prefeituras e faz a entrega de bens direto à instituição.

Até quando teremos que conviver com essas deficiências em nosso Estado? Cabe a população se posicionar e pedir a desvinculação dos Bombeiros.

Bombeiro não é Polícia.

Pedimos que o governador Tarso Genro, abra imediatamente o debate sobre o tema com a população gaúcha.

PELA DESVINCULAÇÃO JÁ.

Assista essas duas notícias veiculadas na mídia. Aconteceu no início deste ano.




sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

A quem serve a pasta de Meio Ambiente em Porto Alegre?

Com a escolha do ex-deputado Luiz Fernando Záchia (PMDB), consagra-se a ausência de qualquer critério técnico para a pasta ambiental. Seu perfil é justamente o de estar comprometido muito mais com o setor econômico do que com o Meio Ambiente.

Por Paulo Brack

Tomou posse nesta quarta-feira (01/02/11) na Smam (Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Porto Alegre), no lugar do vereador Professor Garcia, o ex-deputado Luiz Fernando Záchia (PMDB), o qual não conseguiu se reeleger nas últimas eleições de 2010.

Parece que a moda de conceder “prêmio consolação” a candidatos não eleitos, principalmente em secretarias sem destaque de prioridade - como a área de Meio Ambiente - infelizmente, acabou se tornando regra. E, ao que tudo indica, a SMAM foi rifada de vez para o PMDB, nesta última gestão de Fogaça-Fortunati na Prefeitura Municipal de Porto Alegre.

Esta prática também foi marcada na Secretaria Estadual de Meio Ambiente, quando do então governador Rigotto (PMDB), entre 2003 e 2006. Foram contemplados, na época, três candidatos não eleitos ao cargo de deputado nas eleições de 2002, todos do PSDB (José Alberto Wenzel, Adilson Troca e Mauro Sparta) e que tiveram, cada um deles, uma passagem relâmpago na pasta ambiental.
Mas, as escolhas de políticos sem mandato para a pasta ambiental seriam somente constituídas como cargos de consolação?

Talvez, não. A área ambiental costumeiramente é conflituosa. De um lado, muito mais forte, temos os interesses de grupos empreendedores, geralmente poderosos, aliados a velhas e hegemônicas premissas de crescimento econômico, nem sempre sustentáveis. E, de outro lado, teoricamente, temos a proteção ambiental, quase sempre confinada a uma circunscrição minúscula, em termos de políticas públicas no Brasil. 

Qualquer político que permaneça por muito tempo na área ambiental acaba se desgastando. Assim, o Professor Garcia leva este alívio, podendo estar longe do conflito, que ele mesmo reacendeu, quando secretário. Mas, não se livra de não ter deixado saudades tanto na área técnica da Smam como nas entidades ambientalistas de Porto Alegre, principalmente por sua conivência da ocupação da orla do Guaíba por grandes projetos privados.

Denúncias de técnicos concursados da Smam dão conta de que em seu período a ordem era mesmo para “liberar”, e com “celeridade”, as licenças ambientais aos empreendimentos, com destaque aos mais impactantes, a despeito da necessidade de se constituir um marco mínimo de proteção ambiental. A conservação do meio ambiente em Porto Alegre, com destaque à perda de áreas naturais, os corredores ecológicos, principalmente na zona Sul de Porto Alegre, foi para escanteio, com o então secretário Garcia. 

Paulatinamente, os quadros de técnicos de carreira da Smam foram sendo afastados de sua função no processo de análise das licenças ambientais, e substituídos por técnicos CCs (cargos de confiança). Estes, segundo denúncias que chegaram ao InGá, acabavam se encarregando de praticamente todo o processo de licenciamento ambiental, para cumprir as ordens do governo, para liberar com rapidez vários empreendimentos. Este fato que denota uma prática irregular, contra o interesse público, teria acontecido não somente com obras do programa Minha Casa Minha Vida, mas outros tipos de empreendimento, em prazos nunca vistos, de até uma semana, em áreas de alta importância ambiental, segundo estas denúncias. E tais fatos se agravam, agora, com os planos para a Copa do Mundo de 2014 e com a mudança de secretário. 

Com a escolha do ex-deputado, consagra-se a ausência de qualquer critério técnico para a pasta ambiental. Seu perfil é justamente o de estar comprometido muito mais com o setor econômico, com ênfase às obras da Copa do Mundo, do que com o Meio Ambiente. Inclusive, em seu currículo não tem nenhuma menção a área de Meio Ambiente, tendo destaque a sua “competência gerencial do setor privado". 

O ex-deputado Záchia ainda teve que amargar acusações de envolvimento na fraude do Detran, ter respondido na justiça por denúnciaspor enriquecimento ilícito, em investigação do TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Rio Grande do Sul (processo arquivado) e ter chefiado a Casa Civil, em período da governadora Yeda Crusius (PSDB). 

Uma das questões negativas que chama a atenção é que o ex-deputado também foi um dos principais combatentes dos pardais (equipamentos de controle de excesso de velocidade), incrementando uma campanha demagógica, voltada aos motoristas contra o controle da velocidade, via multa, por parte da EPTC de Porto Alegre. 

“Durma-se” com um currículo destes, e ainda mais para chefiar a pasta ambiental de Porto Alegre! 

Paulo Brack é biólogo e professor da Ufrgs e conselheiro pelo Ingá no Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema-RS).